14.9.06

Cabo Verde



Acabei de receber este livro escrito pela minha amiga Aida e li-o de um fôlego só. Trata-se de uma homenagem que a autora faz ao seu pai, já com 91 anos, escrito em linguagem ingénua e cheia de "sôdade".
A Aida, sua irmã Fernanda, também a Graça e sua mãe D. Teresinha passaram algum tempo connosco, na minha juventude. Também o seu pai e um dos irmãos passaram um tempinho lá em casa. Recordo bem as discussões que travávamos com a Aida, eu e a minha irmã, acerca da posição da janela durante a noite. O casamento da Fernanda, de nossa casa. As lições de moralidade da D. Teresinha, se alguém perdia o comboio...
Com esta família aprendemos a conviver de perto com a diferença de cultura mas a igualdade de coração, num tempo em que havia muito poucos cabo-verdianos em Portugal.
Por isso, ao ler o livro, eu, que nunca estive em Cabo Verde, pareço reconhecer a casa que ela tão bem descreve, o Liceu do Mindelo, a Baía das Gatas.
Transcrevo uma passagem do livro:
"O marido ganhava para o sustento da casa, mas a mulher acompanhava de perto as necessidades diárias do lar.
Por isso, soltava-se muitas vezes a impaciência de D. Teresinha e de imediato e ainda bem, a sabedoria, o sangue frio à mistura com um pouco de bom-humor apimentado do marido que tentava através da música que ele próprio cantarolava, serenar os ânimos.
Ô Tirisinha dnher d'Angola já cabá"

Aida, um abraço à Cabo Verde!
"Vuzinha"

1 comentário:

Ana Rute Cavaco disse...

e eu sempre quis ir a Cabo Verde!