13.7.06

Fertilidade

A minha nora teve um aborto espontâneo há um ano, a minha filha R. há um mês. A minha filha S. lutou um bom tempo contra a infertilidade. O que eu faria para estar antes eu no vosso lugar.
Na minha vez, eu mesma tive ainda pior, uma mola hidatiforme, que em 1974 deu direito a um mês de internamento (e tinha uma filha pequenina) na Maternidade de Sta. Bárbara, onde as visitas não podiam entrar e os colchões eram feitos de rolhas de cortiça. Eu era a número 34 e foi aí que tive verdadeiro acesso à condição humana no feminino.
Mas eu pensava que nada disso ia acontecer com a geração que me segue, que seriam só facilidades.
Mais uma lição que precisava de aprender.

6 comentários:

Karla disse...

Um beijinho para todas...

Ana Rute Cavaco disse...

E a mim, que me restará assistir para a geração dos meus filhos e sobrinhos?

YAMI disse...

Sim..é de facto uma cruel realidade que eu tb passei...espero que as minhas filhas não passem pelo sofrimento de querer ter um filho e não conseguirem - mas se sim - estarem sempre ao lado delas!!

um beijinho

yami

firvidas disse...

Gostaria de nao saber o que sente; mas infelizmente o mesmo aconteceu a minha filha. Ao meu netinho Bruno, que nunca conheci, lhe dedico sempre um raminho de violetas no dia 27 de Abril, o dia em que o perdemos. Tenho saudades dele, dos beijos que nunca lhe pude dar....

Como sei o que sentes! Beijinhos

Rute CS disse...

Pelo menos não ficámos internadas 1 mês em cima de rolhas de cortiça... E da minha parte, até tive o prazer de adormecer a ouvir os batimentos cardíacos do bebé da vizinha da cama ao lado, que viria a nascer umas horas depois. O que até foi bom. Dá esperança para o futuro!

Anónimo disse...

Cada uma de nós mulheres tem sempre uma história para contar,e essa facilidade com que a contamos é que nos faz sentir mais apoiadas ,quando essa condição de ser mulher nos traz experiencias dificeis, mas ao mesmo tempo tão PRIVELIGIADAS!(nao acham?)
Lembro-me que dessas todas,mexeu muito comigo,uma cena q se passou quando eu estava felissima por ter conseguido engravidar da m filha (ja tinha até aceitado a situação de não ser possivel ,pois ja tinha 2 filhos).Quando chego ao hospital para marcar a 1ª consulta de gravidez,deparo-me com a MESMA FILA na qual estão gravidas de todos os tipos:umas felizes por engravidarem e outras felizes porque dai a umas horas já estarão livres do intruso que se esta a formar dentro de si. E como calculam as conversas giram em torno de tal assunto com a maior das naturalidades,o que para mim foi pior. Queria falar ,nem conseguia. Chegou a minha vez,nem conseguia pensar ou dizer o que estava ali a fazer: devia estar com uma cara,que a enfermeira disse: Esta a sentir-se mal,deixe lá que daqui a umas horas já esta livre de tudo. (pensou mesmo q eu queria abortar).Foi quando reagi e disse: NAO,o que eu mais quero é este filho!
O resto imaginem,nem dá para contar o que sofrem mulheres noutras partes do mundo!

P.S.Nao se passou ca em portugal.