18.5.10

Perante a lei, os pares homossexuais poderão vir a ser considerados equivalentes aos casais heterossexuais, mas são estes últimos que constroem o nosso futuro comum.

7 comentários:

Mélia disse...

Respeitosamente, não concordo. Estes “casais homosexuais“ construirão também o nosso futuro. Adopção é terrívelmente difícil para eles, mas é possível. Eu apoio adopção para todos aqueles que amem os seus filhos seja qual for a sua orientação sexual.



Aqueles que temem que tornará os filhos homosexuais, não se esqueçam que estes “ casais“ são filhos de casais heterosexuais.



Construirão também o nosso futuro porque sempre fizeram parte de todas as profissões. São professores, doutores, advogados, etc. Muitos escondem a sua preferência para protegerem essas mesmas profissões ou o seu lugar de estima entre família e amigos.

dora disse...

Todos construímos o nosso futuro comum, não acha, avózinha? A capacidade de uns casais poderem reproduzir-se naturalmente entre si e outros não, não devia determinar aqueles que têm direito a ser felizes. Nem devia dar apenas a uns o direito de formalizarem civilmente essa sua união. Acho que todos demos direito a amar e a ver reconhecido esse direito pelo nosso país. Se as religiões aceitam ou não os casasia gay, isso é outra questão, outro debate, a ser feito dentro de cada crença.Parece-me que a família deve ser acima de tudo um núcleo de amor e amparo - e uma família gerada a partir de um casal homossexual não será menos capaz de criar esse núcleo que outra.
Beijinhos (e parabéns pelo novo neto)

Avozinha disse...

Queridas amigas:
Concordo com muito do que dizem sobre a família como lugar de estima, de amor, de amparo, de procura da felicidade. Mas o casamento é mais do que isso: é o tecido da sociedade, é o futuro no sentido em que não há futuro sem novas gerações. E essas, por muito que tentem, são 'fabricadas' sempre pela junção de um elemento feminino com um masculino.

Rita disse...

Acho que se está a esquecer que as lésbicas podem ter filhos biológicos, basta recorrerem a dador anónimo de esperma, por inseminação artificial (tenho um caso destes dentro da família) . Já os gays podem recorrer a barrigas e óvulos de aluguer para serem pais de uma criança biológica (não conheço nenhum caso de perto, mas é possivel, foi o que fez, por ex., o Ricky Martin).
Ou seja não é por serem homossexuais que não podem construir novas gerações! Simplesmente o farão de uma forma artificial e não natural.
Portanto a meu ver podem também construir o nosso futuro comum.

Avozinha disse...

Rita: foi mesmo isso que eu quis dizer: sempre será necessário um ele e uma ela.

Anónimo disse...

O amor homossexual é, na maioria dos casos, egoísta. Virado para dentro. O homem e a mulher complementam-se; um casal homossexual não. Mas agora virou chique.

dulce disse...

Concordo com a avózinha: não há volta a dar, é sempre necessário um ele e uma ela, seja qual for o método usado. Não se põe a questão do amor ou falta dele, se podem ou não adoptar, quem gosta de quem, quem constrói ou não. Para perpetuar a espécie é necessário um homem e uma mulher! DP