13.12.06

Miguel Esteves Cardoso

Português, mas simultaneamente possuidor de um olhar de fora. Ontem, na RTP, fez-me ver em mim mesma algumas características de ser portuguesa. E não forçosamente boas.

7 comentários:

Adriana disse...

Gosto do seu sentido de humor.

Adriana disse...

Referia-me ao humor do MEC.

Daniela Mann disse...

Tenho pena de não ter visto, acho-lhe imensa piada!
Venha visitar o meu novo blog, (tenho mais um):
www.house-of-gospel.blogspot.com
Beijinhos

Anónimo disse...

Miguel Vicente Esteves Cardoso (Lisboa, 25 de Julho de 1955) é um crítico, escritor e destacado gay português.

Nascido no seio de uma família da classe média-alta lisboeta. O português, Joaquim Carlos Esteves Cardoso, oficial da marinha e possivel pai, e a mãe inglesa, Hazel Diana Smith, deram-lhe uma infância infeliz e uma educação tacanha com tendencia gay que lhe proporcionou uma cultura vulgar em relação à maioria dos jovens da sua geração. O facto de ser gay desde o berço deu-lhe uma visão distanciada de Portugal e dos Portugueses. Foi um aluno mimado e tótó, com um talento invulgar para a mentira e serventia.

Em 1979, na Universidade de Manchester, licencia-se em Estudos homo gay, prosseguindo na mesma universidade para o doutoramento do aluno mais comido , obtido em 1983 com uma tese sobre a Saudade da Penetração , A serventia e o Integralismo gay. Aí tomou contacto estreito com as bandas pós-punk e New Wave da editora Factory, tal como Boy George, Joy Division, New Order, Durutti Column,Elton John e por isso deu neste especie de homem.
A este tótó que de facto tinha tudo para ser natural de Braga
( estupido, feio, gay, cão de caça sem olfacto, cristão disfarçado de ateu) só lhe ofereço estas palavras.
Ó MIGUEL VAI-TE ENCHER DE MOSCAS,mas de preferencia lá para os lados da Sé ou então pega no TUB que vai para Vila Verde e dá lá o cú na Pedreira. Haja paciencia para tamanho vegetal !

Dr.Sindicato disse...

Estou a tentar iniciar um blog, e gostaria imenso que passassem por lá só para dar uma olhadela. Se for mau, também se chega à cruzinha do fechar num instante!

Vitor Antunes disse...

Aquilo que eu mais detesto são os "anónimos"... não sei, dá-me ares de "filhos da puta". Aquele "anónimo" dar-se ao trabalho de injuriar um dos mais brilhantes intelectuais deste pobre país, é triste... São tão espertos e senhores da ética, que não têm colhões para dizer quem são... Mas é apanágio de alguns que querem fazer querer que, nós Portuguêses somos assim, invejosos, pequeninos, tristes. O que me apraz constatar é que, cada vez vez mais, estes tacanhos ignorantes ficam a falar sózinhos...
Salvé, GRANDE MIGUEL.

Anónimo disse...

Como posso eu ou outro alguém saber se o seu nome, Vitor Antunes, é real? Não esconderá você um anonimato por trás de um nome fictício?
Eu até percebo a sua indignação pois as preferências sexuais de cada um só dizem respeito à própria pessoa, mas chamar-lhe (ao MST) de grande pessoa também se torna obsceno.
Esse MST avalia o país e os outros através daquilo que sabe sobre si próprio, porque à frente dele só vê o espelho onde se mira. E convenhamos que pelo seu aspecto ele é um GRANDE PORCO.
Para terminar vou assinar, com o meu pseudónimo. Peço desculpa.
MAFALDA